QUEM SOMOS


Irmãos Coragem
Eles conquistaram seu espaço na mídia e o respeito do público e dos parceiros, sem medo de encarar os problemas, com o Programa Hora da Notícia.


Por: Lenir Guilhem, jornalista convidada.

A história de profissionais da comunicação dos irmãos Batista, nasceu nas ruas, no contato direto com as pessoas. Foi na década de 80, realizando as Paqueras na Avenida, (eventos de entretenimento que eram realizados nas ruas da cidade, com música de som eletrônico) que Valdecir e Valdeir puderam ter suas primeiras experiências com a comunicação e com o público. Hoje, quem observa a desenvoltura dos irmãos Batista, que demonstram dom para a comunicação, não imagina que Valdecir tinha medo de microfone e Valdeir era refrigerista.
Sempre juntos, primeiro foram aprender tendo experiências como locutores de rádio. Valdeir começou na Rádio Capital em 1994. Ele conta que durante a adolescência ficava fazendo locução de rádio de brincadeira. “Eu trabalhava como refrigerista e nas viagens de trabalho meu parceiro tinha que me suportar fazendo locução o tempo todo. Meu sonho era ser locutor de rádio”, diz Valdeir bem humorado, lembrando que quando fez seu primeiro teste na Rádio Capital, concorreu com 15 pessoas e foi selecionado para a vaga. “Essas brincadeiras de ficar fazendo ‘locução’ toda hora, me ajudaram muito.
Quando fui fazer o teste, eu já estava pronto”, lembra Valdeir. Já seu irmão, Valdecir, precisou de uma forcinha do destino para descobrir sua empatia com a comunicação. Durante uma Paquera na Avenida que eles estavam promovendo, o locutor faltou e eles precisavam falar dos patrocinadores do evento. Como Valdeir estava cuidando do som, Valdecir precisou fazer a locução. “Eu me escondia atrás das caixas de som, mas as pessoas começaram a dizer que eu falava bem, então comecei a observar como os outros locutores faziam, acabei perdendo o medo e passei a me comunicar mais com as pessoas”, relembra Valdecir.

Os Primeiros Contatos com o Trabalho na TV

Em 1997, os Batistas se mudaram para a cidade de Cáceres, no Mato Grosso, e começaram seu trabalho na televisão, na TV Pantanal, afiliada à Rede RECORD. Já em outra cidade do Mato Grosso, Nova Mutum, Valdeir apresentava o programa Cidade Alerta local e Valdecir fazia as reportagens externas. Sem nunca terem realmente se desligado da cidade de Cianorte, os irmãos resolveram voltar: trouxeram na bagagem, mais experiência e a vontade de provocar transformações com seu trabalho, então foram convidados para fazer o Hora da Notícia. A partir disso, cientes de que não seria fácil, traçaram o objetivo de fazer do programa, um canal direto com o povo. Com a cara e a coragem foram para o ar, conquistando pouco a pouco a confiança do público e dos parceiros, com verdade e emoção. “Nós começamos com condições técnicas precárias, pouco equipamento e somente eu e o Valdecir para fazer tudo”, lembra Valdeir, contando que eles mesmos produziam, apresentavam e editavam o programa.
A grande aceitação do programa, que caiu no gosto popular, despertou a atenção dos empresários da região, que começaram a enxergar no Hora da Notícia, a oportunidade de retorno certo de suas publicidades. Hoje o programa tem mais de 40 clientes fiéis e é uma empresa independente da rede de televisão onde é veiculado, sendo reconhecido inclusive, nas universidades locais, que durante as discussões de alternativas de mídia, o apontam como uma mídia de retorno certo. Esse reconhecimento se deve a proximidade que seus apresentadores e repórteres têm com o público, fazendo uma comunicação que fala diretamente ao telespectador. “Eu sou muito apaixonado pelo meu trabalho. É um momento meu, pelo qual eu lutei muito, então eu procuro ser verdadeiro”, explica Valdeir, emocionado ao falar de suas origens e de sua luta para conquistar seu espaço na TV, ao lado de seu irmão Valdecir. “As pessoas sabem quando é de verdade. Eu sou conhecedor das minhas limitações, mas dentro delas, eu procuro fazer o melhor possível”, completa.

Missão e Negócio

O Hora da Notícia tem a importante missão de levar informação de verdade para a população. “Temos um compromisso com o público que todos os dias, quinze para o meio dia, está junto com a gente. As pessoas me encontram na rua e dizem: você almoça todos os dias lá em casa, no sentido de que eles estão assistindo ao programa”, observa Valdecir, explicando que quando a câmera está ligada, procura esquecer os problemas pessoais para poder transmitir as notícias de forma objetiva. “O telespectador não quer saber dos meus problemas, ele quer saber dos fatos. Nosso objetivo no programa é informar de uma maneira que todos entendam o que estamos dizendo”, observa, lembrando que nestes anos de Hora da Notícia, seu melhor momento foi quando após um período de afastamento do programa por motivo de saúde, ele voltou e sentiu a preocupação verdadeira da equipe. “Eles nunca me perguntaram: ‘o que você tinha?’, mas sim: ‘como você está?’. Esse foi um momento muito bom”.
Com sua linha editorial policial, o programa não tem a intenção de destruir a imagem da cidade, mas construir uma nova imagem, mais justa e solidária. Os Batistas explicam que não pretendem enfatizar coisas ruins que acontecem na cidade, mas precisam mostrar que elas estão acontecendo, com a finalidade de mobilizar a sociedade e o poder público, para que sejam tomadas providências. “Não é nossa intenção ‘queimar’ a cidade e sim, mostrar que estes fatos aconteceram, nós estamos apenas relatando. A linha editorial do programa é policial, mas existe o livre arbítrio e o telespectador tem o direito de mudar de canal”, comenta Valdecir, lembrando que outras matérias de auxílio à comunidade, que tratam da divulgação dos problemas que ela enfrenta, mas não tem como fazer chegar ao poder público sozinha, também são veiculadas no Hora da Notícia, na tentativa de incentivar a resolução. “Com o crescimento da cidade, fica difícil para o serviço público controlar tudo, já para nós que estamos todos os dias em contato com a comunidade, fica mais fácil. Muitas vezes é o próprio cidadão que liga para o programa informando sobre algum problema e nós vamos lá para mostrar, porque sabemos que assim podemos ajudar a resolver”, completa Valdeir. “O Programa mostrando e cobrando, está fazendo sua parte social. Nós falamos dos problemas, mas com a responsabilidade de apontar também uma solução”, diz Valdecir.
Confiantes e agradecidos ao público, os irmãos Batista finalizam dizendo para as pessoas que os assistem, que é com elas o compromisso do programa. “Quero dizer ao público que o que eu falo na televisão, vem do coração. É verdade, eu não sou um ator interpretando, eu falo o que eu penso. É tudo verdade”, emociona-se Valdeir. “Continuem firmes com a gente, porque nós nunca vamos abandonar esta cidade. Ao contrário do que muita gente diz, nós não somos cachorro de mudança, nós somos filhos de Cianorte”, finaliza Valdecir.

Publicidade


HORA DA
NOTÍCIA
2009 © Todos os direitos reservados à Hora da Notícia. Este material não pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Marknet®